“O Yoga pode ser praticado por qualquer pessoa, seja jovem, velho, muito velho, saudável ou enfermo. Mesmo assim, a maneira pela qual um jovem é ensinado será diferente da maneira como uma pessoa idosa ou doente será ensinada. Portanto, cada aluno deve ser considerado como um indivíduo e ensinado em um ritmo adequado à sua situação na vida.”

Sharath Jois.

Image
“O Yoga pode ser praticado por qualquer pessoa, seja jovem, velho, muito velho, saudável ou enfermo. Mesmo assim, a maneira pela qual um jovem é ensinado será diferente da maneira como uma pessoa idosa ou doente será ensinada. Portanto, cada aluno deve ser considerado como um indivíduo e ensinado em um ritmo adequado à sua situação na vida.”

Sharath Jois.

ASHTANGA YOGA

Ashtanga Yoga é um antigo sistema de Yoga que foi ensinado por Vamana Rishi no Yoga Korunta. Este texto foi transmitido por Rama Mohan Brahmachari para seu discípulo Sri T. Krishnamacharya no início dos anos 1900 e mais tarde transmitido a Sri K. Pattabhi Jois durante o início de seus estudos com Krishnamacharya por volta de 1927.

No método Ashtanga Yoga, da maneira ensinada por Pattabhi Jois e por seu neto Sharath Jois em Mysore (sul da Índia), são enfatizados os seguintes componentes: Vinyasa (sistema de respiração e movimento) e Tristhana (os três pontos de atenção ou ação).

VINYASA

Vinyasa é a sincronização do movimento com a respiração, ou seja, para cada movimento existe uma respiração. Por exemplo, no Surya Namaskar (Saudação ao Sol) existem 9 vinyasas.

O propósito do vinyasa é a limpeza interna de nosso organismo. Ao sincronizar os movimentos que realizamos durante a prática de asanas com a respiração, esquentamos nosso sangue, ou, como dizia Pattabhi Jois “ferve o sangue”. O sangue grosso provoca enfermidades em nosso corpo e o calor criado no Ashtanga Yoga limpa o sangue e o torna fino para que possa circular livremente pelas articulações, amenizando dores no corpo que ocorrem por uma falta de circulação. O sangue quente também se move através de todos os órgãos internos, removendo impurezas e doenças que saem do corpo através do suor provocado durante a prática.
O suor é um importante produto do vinyasa, porque, de acordo com Sharath Jois em seu livro Ashtanga Yoga Anusthana, somente através do suor é que as doenças deixam o corpo e a purificação ocorre. Se o método é praticado de forma correta, o corpo se torna forte e saudável (primeira série do Ashtanga Yoga que é chamada de Yoga Terapia - Yoga Chiktsa).

Somente após a purificação do corpo é que se faz possível a purificação do sistema nervoso e dos órgãos de sentidos e então o controle da mente vem automaticamente. Para isso, no entanto, são necessários muitos e muitos anos de prática. Vinyasa cria a fundação para que isso ocorra.

Image

TRISTHANA

Tristhana são os três pontos de atenção ou ação: Posturas (asanas), respiração e pontos de fixação ocular (dristhi). Praticar Yoga com atenção nesses aspectos cobrem três níveis de purificação: Corpo, Sistema Nervoso e Mente.

Os asanas purificam, fortalecem e deixam o corpo flexível. Respirar significa inalar e exalar. Tanto a inspiração quanto a expiração na prática devem ser firmes e uniformes. A duração da inspiração deve ser a mesma da expiração. Respirar dessa maneira purifica o sistema nervoso. Dristhi é o local que olhamos enquanto praticamos asanas. No método Ashtanga Yoga temos 9 dristhis: nariz, entre as sobrancelhas, umbigo, polegar, mãos, pés, para cima, lado direito e lado esquerdo. A função do dristhi é purificar e estabilizar o funcionamento da mente.

Um dos componentes mais importantes do sistema de respiração (respiração nas posturas) é mula bandha e uddiyana bandha. Bandhas são fechos ou travas físicas e energéticas em nosso corpo. Mula Bandha é o fecho na região do assoalho pélvico, enquanto uddiyana bandha está localizado na região do baixo ventre. Os bandhas dão leveza, força e saúde ao corpo, além de ajudar a construir um fogo interno forte. Sem os bandhas a respiração não será correta e os asanas não terão benefícios. Como dito por nossos mestres em Mysore: “Quando mula bandha é perfeito, o controle mental é automático.”

Um aspecto vital da purificação interna, ensinada por Pattabhi Jois, está relacionada aos seis venenos que cercam o coração espiritual. Nas antigas escrituras do Yoga, é dito que Deus habita nosso coração na forma de luz que está encoberta por seis venenos: kama (desejos), krodha (raiva), moha (desilusão), lobha (ganância), matsarya (inveja) e mada (preguiça). Quando a prática do Yoga é feita com grande diligência e com dedicação por um período longo de tempo, o fogo gerado queima esses venenos e a nossa natureza interna pode enfim brilhar.

Image